Centro Israelita do Rio Grande do Norte e a Câmara Municipal de Natal realiza evento em memória das vítimas da inquisição

O Centro Israelita do Rio Grande do Norte realiza na próxima quinta-feira (30), às 18h30, no plenário Érico Hackradt, da Câmara Municipal de Natal uma sessão solene referente ao Dia Municipal em Memória às Vítimas da Inquisição.

A cerimônia visa além de lembrar as vítimas e a intolerância religiosa, também será demonstrado a influência da Inquisição nos hábitos culturais e socais no Rio Grande do Norte.

 

Inquisição

A Inquisição ocorreu na Idade Média (durou até século XVI) e era dirigida pela Igreja Católica Romana, que já se desculpou de tais atos. Ela era composta por tribunais que julgavam todos aqueles considerados uma ameaça às doutrinas desta instituição. Todos os suspeitos de heresia ou de praticar outras religiões eram perseguidos, torturados e julgados, e aqueles que eram condenados, cumpriam as penas que podiam variar desde prisão temporária com confisco de bens até a morte na fogueira, onde os condenados eram queimados vivos em plena praça pública. Em razão da inquisição, todos àqueles que não eram católicos, em especial, os judeus, foram expulsos do Portugal e da Espanha, países onde a inquisição se fez mais forte.

A história do Brasil sofre influência direta deste evento, sendo os primeiros habitantes da então colônia, “cristãos novos”, ou seja, judeus convertidos, que buscavam liberdade religiosa longe do poder da coroa portuguesa. No Nordeste brasileiro, no período em que vigorou a inquisição, só houve liberdade religiosa durante o período holandês, razão pela qual, a primeira sinagoga das américas é instalada na cidade do Recife. Após a retomada do nordeste pelos portugueses, os judeus que viviam nas capitais nordestinas fugiram ao interior do nordeste, em especial, no Rio Grande do Norte, para a região do Seridó. Disto advém várias características culturais, que encontramos até hoje, como: a presença de loiros de olhos azuis na região; a criação da carne de sol, que na verdade é a carne sem sangue da religião judaica; o mito de que apontar estrelas dá verruga no dedo; costume de se casar entre primos na região; de se colocar pedras e não flores nas lápides; sobrenomes com nome de árvores e animas; etc.

No Brasil, os tribunais chegaram a ser instalados no período colonial. Foram julgados, principalmente no Nordeste, casos de heresias relacionadas ao comportamento dos brasileiros, além de perseguir os judeus que aqui moravam. Os casos mais conhecidos no Brasil foram o de Branca Dias e do Isaac de Castro.

 

Dia Municipal

A Lei Nº 6607, de 29 de abril de 2016, proclamou o dia 31 de março como o Dia Municipal em Homenagem às Vítimas da Inquisição. O projeto de Lei apresentado e intermediado pelo então vereador de Natal, Júlio Protásio.

A solenidade será aberta ao público e contará com a presença de diversas autoridades da sociedade civil, políticos e religiosos.

 

INFORMAÇÕES SOBRE O EVENTO

Dia Municipal em Memória às Vítimas da Inquisição

Data: 30 de março de 2017 (quinta-feira)

Horário: 18h30

Local: Plenário Érico Hackradt – Câmara Municipal de Natal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *