Blog editado a partir de Natal/RN - Brasil.

Publicidade
Instagram
Twitter
Publicidade
Buscar
Calendário
agosto 2017
S T Q Q S S D
« jul    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
Publicidade
Publicidade

Posts da ‘MEIO AMBIENTE’

Grupo de doação de mudas realiza ação em parceria com Shopping Cidade Jardim

Neste sábado, 19/08, o grupo Viveiro de Mudas estará preenchendo de verde o corredor do Shopping Cidade Jardim com a ação “Transforme Abraços em Mudas”, o evento é uma parceria que possibilita que mais pessoas conheçam a prática do cultivo solidário e entrem em contato com o grupo que surgiu a partir de uma iniciativa nas redes sociais e já vem distribuindo mudas pela cidade há aproximadamente três anos.

Com uma linguagem acessível, um público plural e participativo, o Viveiro de Mudas vem transformando o olhar sob o verde em Natal/RN deslocando a ideia que o cultivo é algo caro, difícil e seletivo, trazendo sempre como incentivo a troca de conhecimento na área do plantio, estimulando um convívio saudável entre as pessoas e a distribuição de plantas diversas sem ganho comercial. O Shopping Cidade Jardim participa como parceiro da ação viabilizando o espaço, suporte e diálogos com uma visão mais sustentável estimulando a ação de doação de mudas, troca de conhecimento e afetos sociais.

A ação que iniciará às 09:30 e seguirá até às 17:30, terá doação de mudas frutíferas, ornamentais, flores, hortaliças, cactos e suculentas cultivadas pelos próprios membros do grupo para quem se interessar abraçar o verde e levar uma (01) muda! O evento ainda contará com oficinas para iniciantes na prática do cultivo, terrário para crianças e as exposições “Ser(tão) Encantador” e “QUBO” as quais serão expostas obras de artistas autônomos e cultivadores do Quintal Urbano se inspiram nas cores e formas da fauna e flora do semiárido nordestino. No espaço do evento, visitantes poderão observar uma mostra sustentável de materiais reutilizados, como pallets e caixotes, para fazer hortas verticais e objetos de jardinagem produzido por membros do grupo e pelo paisagista Gabriel Monte, também parceiro do evento.

O Viveiro de Mudas surgiu em 2014 como grupo nas redes sociais com intuito de promover ações de doação e trocas de mudas autorizadas pelas leis ambientais e possibilitar que mais pessoas sejam motivadas a iniciar o cultivo e praticar a educação ambiental em seus lares e na comunidade ao seu redor. Ao longo desses três anos de percurso, o grupo realizou diversas atividades de conscientização ambiental, revitalização de praças públicas além de promover, organizar e divulgar eventos com foco sustentável em Natal/RN.

 

Ação “Transforme Abraços em Mudas”

Quando? Sábado, 19/08, das 09:30 às 17:30

Onde? Shopping Cidade Jardim – Av. Roberto Freire, 340

Contato: Pollyane Azevedo (84) 98808-7777 / Catarina Santos (84) 99623-6434

Organização: Viveiro de Mudas

Parcerias: Shopping Cidade Jardim, Quintal Urbano, Gabriel Monte Arquitetura e Paisagismo

MPRN adere à Campanha do Lixo Eletrônico

Sede da Instituição será Ecoponto de coleta 

O Ministério Público do Rio Grande do Norte aderiu à Campanha do Lixo Eletrônico promovida pela empresa Natal Reciclagem como parte da semana do meio ambiente. A Procuradoria-Geral de Justiça, em Candelária, será Ecoponto de coleta no período entre 6 a 10 de junho.

A ação é a sexta campanha do lixo eletrônico promovida pela Natal Reciclagem em comemoração à Semana do Meio Ambiente 2016. O objetivo é conscientizar a população ao problema do lixo eletrônico e com a oportunidade para que se desfaça de diversos equipamentos eletrônicos em desuso, destinando-os de forma ambientalmente adequada.

Para a coordenadora do Centro de Apoio às Promotorias do Meio Ambiente (CAOP-MA), promotora de Justiça Mariana Marinho Barbalho, o destino correto desse tipo de lixo é de suma importância. “Uma vez expostos ao sol e/ou chuva, alguns desses equipamentos podem entrar em combustão ou liberar substâncias tóxicas para o solo e lençóis freáticos, contaminando-os. Além disso, esse tipo de trabalho diminui o volume de lixo que é levado aos aterros sanitários e lixões”, explicou.

Nesta campanha serão recebidos celulares, carregadores, notebook, nobreak, estabilizadores, tablet, CPU, monitor, TV, impressora, modem, CD-ROM, telefone, DVD, vídeo cassete, rádio, caixa de som, relógio, microondas, liquidificadores, secadores, exaustores, ventiladores, pendrives, central telefônica, fios, cabos elétricos, fone de ouvido, teclado, mouse, controle remoto, câmera fotográfica, decodificador, geradores, placas de circuitos, dentre outros.

A empresa esclarece que o descarte de grandes geradores ou elevadas quantidades de lixo, oriundos de empresas por exemplo, serão destinados ao Ecoponto fixo, na sede da Natal Reciclagem, localizada na Rua Adolfo Gordo, 2279 na Cidade da Esperança.

A idealizadora da campanha alerta ainda que lâmpadas não serão recebidas nesta edição devido ao alto risco de acidente com os demais resíduos. Nesse caso, orienta-se que estas sejam devolvidas aos lojistas ou revendedores de seus fabricantes que, de acordo com a Lei 12.305/2010, são obrigados a realizarem sua própria logística reversa.

Após finalizada a campanha, os resíduos serão transportados para a sede da Natal Reciclagem onde serão pesados, quantificados, descaracterizados e desmontados, a fim de que sejam enviados para as devidas indústrias de reciclagem e processamento final de cada item.

Após todo esse processo, o que antes era lixo será transformado em matéria-prima para a fabricação de um novo produto. Mais informações acerca da campanha: (84) 3081-2525.

(MPRN)

VIGIÁGUA – Natal Shopping recebe selo de qualidade da água

O Natal Shopping é o primeiro centro comercial com o Selo Azul Água de Qualidade, entregue pela Secretaria Municipal de Saúde por meio do programa “Vigiágua”. O certificado garante que o shopping atende aos padrões de potabilidade para consumo humano estabelecidos na Portaria nº 2.914/2011, entre eles os níveis de nitrato, ferro e coliformes fecais adequados para ingestão.

A presença dessas substâncias na água do empreendimento está bem abaixo do máximo estipulado pelo Ministério da Saúde. O órgão recomenda, por exemplo, que o nitrato não ultrapasse 10 miligramas por litro, enquanto no shopping essa quantidade está em 0,2 miligramas. O resultado positivo é fruto de um sistema de tratamento, seguido por uma rotina de limpeza dos reservatórios e acompanhamento criterioso dos padrões da qualidade da água, com o intuito de promover a segurança necessária ao produto consumido pelos clientes.

Desastres naturais custam 1 Bolsa-Família por ano ao Brasil

Levantamento inédito de economistas da UFRJ mostra que eventos extremos reduziram o PIB nacional em até 0,87% entre 2002 e 2012 e afetaram, todos os anos, 1,1% da população brasileira

 

Os eventos climáticos extremos atingem 1,1% da população do Brasil todos os anos e custaram até R$ 355 bilhões ao país apenas entre 2002 e 2012. É o equivalente a até 0,87% do PIB acumulado no período. Na média, o custo anual dos desastres naturais naquela década foi de R$ 25,2 bilhões, o equivalente a verba do ‘Bolsa-Família’.

Valorando TempestadesOs dados são de um estudo inédito de um trio de economistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro, publicado numa parceria entre o Observatório do Clima e o site de notícias ambientais ((o))eco.

O grupo liderado por Carlos Eduardo Young, do Instituto de Economia da UFRJ, debruçou-se sobre os dados do Atlas Brasileiro de Desastres Naturais, que mapeou os registros de eventos climáticos extremos no Brasil entre 1991 e 2012. Os números foram cruzados com estimativas de custo econômico por pessoa afetada, desalojada ou desabrigada durante eventos extremos de enxurrada, inundação ou deslizamento nos Estados de Rio de Janeiro, Alagoas, Pernambuco e Santa Catarina, feitas pelo Banco Mundial, e extrapolados para o país inteiro.

Entre 1991 e 2012, constataram os economistas, o Brasil registrou 13.622 ocorrências desses três tipos de desastre, que deixaram, no total, 46 milhões de pessoas afetadas, incluindo 3.745 mortos. A maior parte desses desastres, 10.066, aconteceu na segunda metade do período analisado – entre 2002 e 2012. No total, nessa década, 33,9 milhões de pessoas foram afetadas, cerca de 25% da população brasileira. A quantidade de recursos federais destinada à reconstrução saltou de R$ 130 milhões em 2004 para R$ 3 bilhões em 2010.

Segundo os autores, forte o aumento no número de ocorrências, no número de afetados e nas perdas econômicas neste período em relação ao anterior reflete provavelmente uma tendência. É possível, dizem, que o quadro se explique porque melhorou o registro de desastres, porque há mais gente vivendo em áreas de risco ou porque as mudanças climáticas estão causando mais chuvas torrenciais. “O mais provável é que todas essas hipóteses estejam corretas e que haja uma combinação perversa entre o aumento da população vivendo em áreas de risco e a maior probabilidade de ocorrência de eventos climáticos extremos”, afirmam Young e colegas.

O maior número de desastres naturais, 34% do total, ocorreu na região Sudeste – justamente onde há mais gente em áreas de risco. Minas Gerais ocupa disparado o primeiro lugar (2.083 ocorrências), seguido de Santa Catarina (1.108) e São Paulo (850). Juntos, o Sudeste e o Sul respondem por 69% das perdas monetárias por eventos extremos entre 2002 e 2012 – jogadas para cima pelos desastres de Santa Catarina, no fim de 2008, e da serra fluminense, em 2011.

No entanto, quando se olha o impacto no PIB regional, o Brasil segue o princípio conhecido de que os mais pobres são os mais afetados: a maior perda proporcional está na região Norte – 1,61% do PIB gasto com afetados por desastres – e na Nordeste (1,51%), enquanto o Sudeste teve 0,48% de perda em relação ao PIB.

Ainda existe a visão de que combater a mudança climática vai agravar a pobreza. O que nós mostramos com esse estudo é que o contrário é verdade: a pobreza é agravada pela mudança climática, e reduzir emissões reduz também a vulnerabilidade dos pobres”, diz Camilla Aguiar, coautora do estudo.

Almoço gratuito pela celebração do “Dia Mundial Sem Carne” acontece nesta quarta-feira (25) no centro de Natal

Feijoada VegetarianaA ONG Baobá em parceria com empresas e instituições convida a população para participar de um almoço gratuito de uma “Feijoada Vegetariana”, que será servida no dia 25 de novembro de 2015, a partir das 11h40, na Rua João Pessoa, no trecho entre a Av. Rio Branco e a Rua Princesa Isabel, Centro, Natal/RN.

O objetivo deste evento é sensibilizar a sociedade sobre o grande impacto ambiental decorrente da criação de animais para a indústria frigorifica, no processamento de armazenar e abastecer o mercado para o consumo. A ONU recomenda uma mudança global para uma dieta sem carne e sem laticínios.

O relatório da ONU, publicado em abril deste ano, aponta que “uma mudança global para uma dieta vegana é vital para salvar o mundo da fome, da escassez de combustíveis e dos piores impactos das mudanças climáticas. Na medida em que a população mundial avança para o número previsível de 9,1 bilhões de pessoas em 2050 e o apetite por carne e laticínios ocidental é insustentável”.

No evento, além do almoço distribuído gratuitamente para os participantes, haverá a distribuição de mudas de árvores nativas da Mata Atlântica e uma campanha de assinatura para a criação dos Parques dos Mangues do Potengi e da Floresta do Pitimbu.

São parceiros neste evento: o Restaurante Nativos, Milk Shake Mix – loja 2, Horta Orgânica Capim Macio, OAB/RN – Comissão de Direito Ambiental, EcoVilla Sítio Araçá, Parque das Dunas, Horto Pitimbu, ASPOAN, STV Brasil, SOS Mangue, Rede Masculina de Combate ao Câncer, As Dez Mulheres, Favorito Supermercados, fotojornalista Canindé Soares, ACIRN, STTU e a LucGraf.

Aumento do nível do mar coloca meio bilhão de pessoas em risco; Brasil está entre os países com maior número de pessoas em situação de risco

Se prosseguirmos com os atuais níveis de emissão de carbono na atmosfera, teremos um aquecimento médio global de 4°C que tem potencial para elevar o nível do mar o suficiente para submergir terras que atualmente são o lar de 470 a 760 milhões de pessoas. Essas são as conclusões de um relatório e mapas interativos publicados pela Climate Central, o qual também aponta que a tendência de ascensão não poderá ser interrompida e se desdobrará ao longo dos séculos. O relatório da organização de pesquisa mostra ainda que cortes agressivos nas emissões de carbono, resultando em 2°C de aquecimento, poderiam reduzir o número de pessoas atingidas para 130 milhões. A divulgação desse estudo coincide com o encontro de ministros de mais de 80 países em Paris para encontrar mais pontos em comum antes das negociações climáticas globais que ocorrerão em dezembro.

MAPPING CHOICES_Natal

O relatório da Climate Central tem por base um documento focado nos EUA que foi publicado no mês passado Proceedings of the National Academy of Sciences of the U.S.A, de autoria dos cientistas da Climate Central Benjamin Strauss e Scott Kulp, e Anders Levermann do Potsdam Institute for Climate Impact Research. Para avaliar as implicações para todas as nações e cidades costeiras, a nova pesquisa utiliza relações entre o aquecimento causado pelas emissões de carbono, o nível de elevação no mar que essas emissões causam no longo prazo, e dados globais da população.

O relatório aponta que a China é a nação em maior risco, com 145 milhões de pessoas vivendo em áreas ameaçadas pela elevação dos mares se os níveis de emissões não forem reduzidos. Esse é também o país que tem mais a ganhar com a limitação do aquecimento global a 2°C, o que limitaria o número de pessoas afetadas a 64 milhões. Há outras 12 outras nações que têm, cada uma, mais de 10 milhões de pessoas vivendo em áreas de risco. Esse ranking é liderado por Índia, Bangladesh, Vietnã e Indonésia. Alcançar a meta de 2°C reduziria a exposição de mais de 10 milhões em cada um destes países, além de beneficiar a maioria dos outros países desse grupo de alto risco, o qual inclui Japão, EUA, Filipinas, Egito e Brasil.

O Brasil tem 16 milhões de habitantes em áreas ameaçadas pela elevação do nível do mar causada pelo aquecimento global de 4°C. Se conseguirmos reduzir essa média para 2°C, o número de pessoas ameaçadas cai para 9 milhões.

O aumento do nível do mar que causará tais ameaças irá provavelmente e desdobrar ao longo de centenas de anos, mas as emissões de carbono responsáveis por isso são as que acontecerem neste século – e que podem levar a um caminho ou outro.

Os riscos globais das mudanças climáticas são claros quando falamos do aumento do nível do mar”, disse Strauss, PhD, vice-presidente de Impactos Climáticos no Climate Central e principal autor do relatório. “O resultado das negociações climáticas em Paris pode nos levar à perda de inúmeras grandes cidades e monumentos costeiros em todo o mundo, à migração sem fim e à desestabilização, ou pode nos direcionar para uma maior preservação de nossa herança global e para um futuro mais estável“.

Levermann, co-presidente de Research Domain Sustainable Solutions do Instituto Potsdam Institute for Climate Impact Research da Alemanha, acrescentou, “Não há porque temer a elevação do nível dos oceanos porque ela é lenta, mas é algo com o qual temos que nos preocupar porque ela leva à ocupação da terra pelo mar, incluindo as cidades nas quais estamos construindo nossa futura herança“.

Megacidades globais com as 10 maiores populações em risco incluem Xangai, Hong Kong, Calcutá, Mumbai, Daca, Jacarta e Hanoi. O Rio de Janeiro tem 2,4 milhões em áreas de risco (0,24 por cento da população da grande área urbana) em um cenário de aquecimento global de 4°C, número que cai para 1,3 milhão no caso de 2°C de aquecimento. Projeções medianas da elevação do nível do mar desencadeadas pelo aquecimento global são 9,3 metros para 4°C e 4,9 metros para 2°C.

Em conjunto com o relatório, a Climate Central criou um mapa global interativo e incorporável chamado Escolhas Climáticas, ou Climate Choices (choices.climatecentral.org).

Os usuários podem digitar o nome de qualquer cidade costeira ou código postal em todo o mundo e comparar as potenciais consequências de diferentes cenários de aquecimento ou de emissões em uma base local.

 

###

Climate Central é uma organização sem fins lucrativos de pesquisa e jornalismo que fornece informações relevantes com base científica para ajudar o público e os decisores políticos a tomarem decisões acertadas sobre clima e energia

Semurb promove hoje (26) mutirão ambiental no Rio Pitimbu

Foto Assessoria de Imprensa SEMURBEm alusão ao dia mundial de limpeza dos rios e praias, comemorado no dia 19 de setembro, a Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo de Natal (Semurb) realiza hoje (26) um mutirão ambiental voltado para limpeza e preservação do rio Pitimbu. A ação será realizada nas proximidades do bairro Planalto, Zona Sul da Capital. A programação começa a partir das 8h, com um pit-stop, na entrada do bairro, próximo à linha férrea.

O trabalho será conduzido pelo Setor de Fiscalização Ambiental em parceria com o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Pitimbu. De acordo com o supervisor Geral de Fiscalização Ambiental da Semurb, Leonardo Almeida, a ideia é disseminar na comunidade a importância da preservação do rio.

Para isso, serão distribuídas lixeiras para carros, retirada de lixo as margens do rio, plantio de 100 mudas de árvores nativas, afixação de placas com mensagens de cunho ambiental. Além disso, durante o pit-stop será entregue material informativo sobre a preservação do Rio.

A ação conta com o apoio do Horto Florestal Pitimbu, Guarda Ambiental de Natal (GAAM) e da Coca-Cola Brasil.

CAMPEÕES DA TERRA – Natura é reconhecida com principal prêmio ambiental da ONU

Maior multinacional brasileira de cosméticos e pioneira em produção sustentável, a Natura é uma das vencedoras do prêmio da Organização das Nações Unidas (ONU) ‘Campeões da Terra 2015’, na categoria Visão Empresarial.

Ao atribuir o prêmio à Natura, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) reconheceu o compromisso da companhia em colocar a sustentabilidade no coração de sua estratégia de negócios, o que apoia a agenda para o Desenvolvimento Sustentável 2030 da ONU.

O diretor-executivo do PNUMA, Achim Steiner, diz: “O modelo de negócios da Natura é um exemplo brilhante de como a sustentabilidade e o empreendedorismo andam lado a lado. O trabalho da companhia para ter cadeias de fornecimento verdes, reduzir sua pegada de carbono e apoiar comunidades locais demonstra não só um compromisso admirável com o meio ambiente, mas também afirma o potencial de uma economia verde inclusiva”. […] O sucesso da Natura é uma inspiração e modelo para empresas de toda parte. Eles mostraram que padrões de consumo e produção sustentáveis não só são possíveis como beneficiam tanto a companhia como a comunidade”.

Empresa NATURA

Empresa NATURA

A Natura administra uma empresa inovadora e ecológica que inclui operações em seis países da América Latina e na França, além da marca australiana Aesop, adquirida em 2013, com presença nos cinco continentes. A companhia emprega um modelo de produção sustentável baseado no fornecimento responsável de ingredientes naturais e trabalho com comunidades locais, para incentivar inovação ecológica em todo o ciclo de vida de um produto.

Estar entre os reconhecidos como Campeões da Terra nos inspira ainda mais a ampliar o potencial de nossa empresa de gerar impacto positivo na sociedade e no meio-ambiente”, diz Roberto Lima, diretor-presidente da Natura. “Buscamos uma agenda de desenvolvimento sustentável que vá além do comportamento empresarial e que esteja inserida de fato em nosso modelo de negócios”.

A Natura é uma empresa carbono neutro desde 2007, com esforços intensos para minimizar sua pegada de carbono em todas as etapas de produção e para compensar suas emissões de CO2. Esse processo ajudou a acender a inovação ecológica, influenciando as tecnologias, o design e as fórmulas desenvolvidas pela empresa.

A fabricante prioriza materiais reciclados e recicláveis em suas embalagens, analisando o impacto ambiental do ciclo de vida do produto. Um exemplo de como a Natura transforma desafios socioambientais em novas oportunidades de negócios foi o lançamento, em 2014, dos refis das fragrâncias da linha Ekos Frescores, feitos de 100% PET reciclado pós-consumo, gerando 72% menos emissões de gases do efeito estufa. Com esse lançamento, a Natura se tornou a primeira grande marca de cosméticos a usar esse tipo de material na perfumaria.

Com o Programa Amazônia, lançado em 2011, a Natura busca fomentar a criação de negócios sustentáveis na região amazônica, impulsionando o desenvolvimento de uma economia de floresta em pé. A companhia lançou, este ano, uma linha de produtos que usa um novo ativo amazônico, a ucuuba. Antes derrubada para exploração madeireira, a árvore em pé passou a render três vezes mais ao ano às comunidades locais com o manejo sustentável para fornecer cosméticos à Natura.

O modelo da Natura traz benefícios substanciais a ecossistemas e comunidades tradicionais, além dos acionistas da companhia. A distribuição de riquezas para as comunidades fornecedoras da Natura somou R$ 8,9 milhões em 2014

No fim do ano passado, a Natura se tornou a primeira companhia aberta a receber a certificação Benefit Corporation (B Corp), que destacou seus altos padrões de responsabilidade ambiental e social. Em 2014 a Natura também apresentou uma série de diretrizes estratégicas para garantir que todos seus negócios criem um impacto positivo em cada dimensão de suas atividades em 2050, além de estabelecer ambições e compromissos que devem ser atingidos em 2020.

 

SOBRE O PRÊMIO

O Prêmio Campeões da Terra é a maior homenagem ambiental que a Organização das Nações Unidas pode conferir a indivíduos e organizações de destaque. Premiados anteriormente incluem líderes de nações a ativistas – todos visionaries cujas lideranças e ações levam o mundo ainda mais próximo a suas aspirações de sustentabilidade ambiental e uma vida digna para todos. Até agora, o Prêmio Campeões da Terra reconheceu 67 laureados em categorias de política, ciência, negócios e sociedade civil.

Em 2015, o prêmio busca apoiar o Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Sustainable Development Goals) ao ilustrar, por meio dos exemplos dos laureados, que a transição para modelos de economia de baixo carbono, eficiência de recursos inclusivos e sustentáveis não só são possíveis, mas já estão em progresso.

Além da Natura, os outros vencedores anunciados até agora são a The National Geographic Society (Ciência e Inovação) e a South Africa’s Black Mamba Anti-Poaching Unit (Inspiração e Ação). Os outros laureados serão revelados ao longo do mês de setembro. Os prêmios serão entregues no encerramento da conferência Sustainable Development Goals, no dia 27 de setembro, em Nova York.

www.unep.org/champions

Mário Mantovani da ‘SOS Mata Atlântica’ faz palestra hoje (20) em Natal sobre a importância do manguezal

A IMPORTÂNCIA DO MANGUEZALO Campus Verde do IFRN e as ONGs Baobá e SOS Mangue convidam a sociedade para o evento “A Importância do Manguezal e os Impactos do PL 063/2015”, que acontece hoje (20) no auditório do Museo de Minério/IFRN, Campus Natal Central – RN, no horário das 10h às 12h. A entrada é franca e haverá entrega de Certificado de Participação para os presentes.

O evento terá a participação especial de Mário Mantovani, importante personalidade e liderança nacional na defesa do meio ambiente no Brasil, diretor de articulação da SOS Mata Atlântica, que apresentará dados importantes sobre o Manguezal.

O professor Rogério Câmara da ONG SOS Mangue/RN e Francisco Iglesias da ONG Amigos da Natureza, debaterão pela defesa dos manguezais.

SUSTENTABILIDADE – Extra lança nova linha exclusiva de sacolas reutilizáveis

Bolsa TartarugaO GPA busca, por meio de suas lojas, promover e estimular o consumo consciente, com iniciativas que permitam que seus clientes se engajem na causa sustentável. Partindo dessa premissa, a empresa lança para as lojas do Extra, uma nova linha exclusiva de sacolas reutilizáveis, cujo tema é “Biodiversidade”.

As sacolas são feitas de ráfia, com capacidade para 15 quilos e estarão disponíveis em três estampas: Tamanduá, Tartaruga e Tucano, que vem representando a fauna brasileira.

A utilização de uma sacola reutilizável permite que o cliente deixe de usar cerca de 8 sacolinhas plásticas por vez e evita que elas sejam descartadas de forma incorreta no meio ambiente.

Durante o período de lançamento, as sacolas estão com preço promocional de R$ 3,29 reais até dia 30 de agosto e estão sendo comercializadas em todas as lojas Extra em Natal e Parnamirim.