Blog editado a partir de Natal/RN - Brasil.

Publicidade
Instagram
Twitter
Publicidade
Buscar
Calendário
novembro 2018
S T Q Q S S D
« jul    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
Publicidade
Publicidade
Publicidade Vídeo

Uma homenagem da Prefeitura de Natal para os Professores

Ministério da Cultura e Bradesco Seguros apresentam “60! Década de Arromba – Doc. Musical”

Com Wanderléa, cantores, bailarinos e orquestra ao vivo, superprodução faz duas sessões no Teatro Riachuelo

 

Foto Caio Gallucci

Após quatro temporadas de sucesso e crítica em São Paulo e Rio de Janeiro, com quase 300 apresentações e 150 mil espectadores, o espetáculo “60! Década de Arromba – Doc. Musical” chega a Natal em únicas apresentações, nos dias 06 e 07 de julho, no Teatro Riachuelo. Símbolo da Jovem Guarda, um dos principais movimentos musicais daquele período, a cantora Wanderléa é a estrela da superprodução, que depois quatro temporadas em São Paulo e Rio de Janeiro, passou por Campinas, Fortaleza, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e Recife e encerra o ciclo de 2 anos de apresentações em Natal.

“60! Década de Arromba – Doc. Musical” é dirigido por Frederico Reder, com roteiro e pesquisa de Marcos Nauer. O espetáculo conta a história dos anos 1960 através de ferramentas de documentário (fotos, vídeos e depoimentos reais), somadas a cenas, textos e canções apresentadas ao vivo por 24 atores/cantores/bailarinos e uma orquestra com dez músicos. É a primeira vez que Wanderléa participa de um musical, interpretando ela mesma.

 

DOCUMENTÁRIO MUSICAL – “Sessenta foi uma década muito importante em vários aspectos: nas artes, no esporte, nos movimentos sociais e políticos e no avanço tecnológico. Descobri durante o processo da peça que estávamos fazendo um documentário musical, em que cantamos toda a história sem utilizar nenhum personagem real. A única personagem que trazemos para a cena é a Wanderléa, interpretando ela mesma. Um luxo”, conta o diretor Frederico Reder.

O momento era de grande agitação política, jovens reivindicavam seus direitos pregando a bandeira do amor. Wanderléa embalava os sonhos de milhões de brasileiros com os versos bem apropriados para a época na música “É o Tempo do Amor”. Fruto de uma extensa pesquisa feita por Frederico Reder e Marcos Nauer, “60! Década de Arromba – Doc. Musical” começa com um prólogo, em 1922, contando a chegada do rádio no Brasil, para em seguida mostrar o início da televisão e aí sim, sua popularização na década de 1960.

A partir desse ponto, a peça narra os principais acontecimentos, apresentando mais de cem canções dos mais diversos gêneros. De Roberto e Erasmo, passando por Dalva de Oliveira, Cauby Peixoto, Elvis Presley, Beatles, Tony e Celly Campello, Bibi Ferreira, Edith Piaf, Tom e Vinicius, Milton Nascimento, Gil e Caetano, Maysa, Geraldo Vandré e tantos outros nomes importantes na música. Se hoje em dia a discussão em torno do empoderamento feminino está em alta, já em 1960 mulheres marcaram época com frases que deram o que falar. “Ninguém nasce mulher, torna-se mulher”, afirmava a escritora francesa Simone de Beauvoir. Marilyn Monroe fazia sucesso e bradava “mulheres comportadas raramente fazem história”. Aqui no Brasil, mulheres como Leila Diniz também não ficavam atrás com atitudes e frases que marcaram história, como: “Na minha cama deita quem eu quiser”.

Ícone pop da década de 1960, Wanderléa sempre foi considerada um símbolo de vanguarda. Primeira mulher a posar nua grávida para uma foto e pioneira no uso das minissaias e do silicone, contribuiu para os direitos e a liberdade das mulheres de sua geração. “Fiquei muito emocionada em receber esta homenagem justamente quando a Jovem Guarda completa 50 anos. Nunca havia imaginado integrar um grande musical”, diz Wanderléa.

 

SUPERPRODUÇÃO – Produzido pela Brain+ em parceria com a Reder Entretenimento e a Estamos Aqui, “60! Década de Arromba” é uma superprodução com 20 cenários, 10 toneladas de material cênico e mais de 300 figurinos. Além dos 24 atores, conta com uma orquestra de 10 músicos. “Escrever um doc musical foi começar do zero. Definimos que não seria biográfico e não seria ficcional, sem dramaturgia clássica. Tudo que está em cena se originou do documental, do fato, da história real. Não há personagens definidos, o elenco são todas as pessoas que viveram aquela época. As músicas são cantadas na cronologia em que foram lançadas e fizeram sucesso. O espectador acompanha a narrativa do espetáculo ano a ano, relembra sua história e descobre novos acontecimentos”, conta o autor Marcos Nauer.

Um espetáculo construído a partir de canções conhecidas de todo o público, feito para toda a família, que mescla humor, números de circo, ilusionismo e cheio de emoção. Uma história cantada com fatos e músicas memoráveis. No repertório não faltam sucessos como “Banho de Lua”, “Biquíni de Bolinha Amarelinha”, “Beijinho Doce”, “Lata D’água”, “Travessia”, “Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores”, “Era um Garoto que como eu Amava os Beatles e os Rollings Stones”, “Ponteio”, “Nós Somos Jovens”, “Filme Triste”, “Prova de Fogo”, “Pare o Casamento”, “Calhambeque” e outras internacionais, como “Blue Moon”, “La Bamba”, “Non Je Ne Regrette Rien”, “Yellow Submarine” e “I Say a Little Prayer for You”.

 

ACESSIBILIDADE – A sessão das 20h30, do dia 06, contará com acessibilidade com libras e audiodescrição, uma iniciativa que a produtora Brain+ realiza em todos os seus projetos.

 

SERVIÇO

“60! Década de Arromba – Doc. Musical”

Dias 06 e 07 de julho

Sexta-feira, às 20h30 e Sábado, às 15h

Teatro Riachuelo (Av. Bernardo Vieira, 3775 / Natal – RN)

www.teatroriachuelonatal.com.br

Deixe o seu Comentário!