Blog editado a partir de Natal/RN - Brasil.

Publicidade
Instagram
Twitter
Publicidade
Buscar
Calendário
julho 2018
S T Q Q S S D
« jun    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Publicidade
Publicidade
Publicidade Vídeo

Uma homenagem da Prefeitura de Natal para os Professores

Ansiedade e cobrança podem causar enxaqueca em crianças

Na primeira queixa de dor de cabeça na criança ou adolescente, o alerta para a duração, frequência, intensidade e sintomas associados, deve ser avaliado. Esse é o primeiro destaque que a médica Kallydya Pasqually, pediatra do Hapvida Saúde, faz aos pais.

O quadro que pode evoluir para a enxaqueca afeta diretamente a qualidade de vida dos indivíduos acometidos. “As crianças que apresentam enxaqueca antes dos dez anos tendem a ter uma remissão das crises após a puberdade’’, revela a médica.

De acordo com um estudo publicado, no mês de maio de 2018, pela revista Cephalalgia, a prevalência de enxaqueca na infância atinge igualmente os dois sexos. “A ansiedade e a cobrança exagerada para realização de alguma atividade educacional, por exemplo, podem ser agravantes para a dor de cabeça que esses meninos e meninas têm’’, destaca o estudo.

O neurocirurgião Alexandre Seixas, médico do Hapvida Saúde, complementa os fatores que desencadeiam uma crise. ‘‘A enxaqueca, que também é conhecida como migrânea, costuma ser altamente intensa quando ocorre contato com odores fortes, estímulos luminosos e jejum, pois são elementos desencadeantes’’.

 

Prevenção

Em crianças por volta dos 5 anos, as dores de cabeça podem ser reveladas pelo comportamento. Então, uma das formas de prevenção é atenção a esses sinais’’, explica a pediatra Kallydya Pasqually.

A prevenção também é pontuada pelo neurocirurgião Alexandre Seixas. “Evitar café, temperos prontos, alimentos industrializados e embutidos, integram esses cuidados nos quadros de dor de cabeça na infância’’.

 

Tratamento

“A melhor forma de tratamento deve ser definida por um profissional, por isso, os pais devem prestar atenção nas relações de estresse, privação de sono, alimentação, mudanças familiares e escolares, para repassar ao especialista as exposições que os filhos estão vivenciando todos os dias’’, finaliza a médica Kallydya Pasqually.

Deixe o seu Comentário!